sábado, 25 de maio de 2019

BETO BOMBA É PRESO PELA DRACO - CRIME DE MILÍCIA EM RIO DAS PEDRAS




A Polícia Civil, através da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco), em conjunto com o Ministério Público e outras Delegacias, vinha fechando o cerco ao MILICIANO Jorge A. Moreth. 


Acuado e sem ter mais opções de se manter foragido ele se entregou na noite de sexta-feira.


Ex-presidente da Associação de Moradores de Rio das Pedras, BETO BOMBA como é conhecido, é apontado como um dos líderes da milícia que comanda a região na ZONA OESTE do Rio de Janeiro.

Com base em matéria do Jornal Extra

OPINIÃO
Sofre a MILÍCIA mais um duro golpe, porém, sua atividade criminosa já bastante disseminada e enraizada permanece infernizando a vida dos cidadãos, obrigados ao pagamento de TAXAS e submetidos a todo tipo de HUMILHAÇÃO e COAÇÃO, nas localidades dominadas por milicianos.

domingo, 6 de agosto de 2017

POLICIAL CIVIL É BALEADO NA LINHA VERMELHA DIVISA COM RODOVIA PRESIDENTE DUTRA

EQUIPE da 53a. DP / MESQUITA FOI ATACADA

Um ataque feito por criminosos, contra um carro da Polícia Civil do Rio de Janeiro que passava pela PRÓXIMO A RODOVIA PRESIDENTE DUTRA, terminou com um policial baleado de raspão na cabeça, e com a viatura, após atingida por vários disparos, pegando fogo.

Segundo informações da Polícia Rodoviária Federal, que saiu em auxílio dos policiais civis, ocorria um assalto a um motociclista, e os policiais tentaram interceder, sendo então alvo dos disparos dos criminosos. 

O policial civil passa bem, os bombeiros foram ao local, mas a viatura foi completamente destruída pelas chamas, e os criminosos teriam conseguido fugir.

Não há reforço de tropas das forças armadas no dia de hoje no Rio de Janeiro.

sábado, 17 de junho de 2017

ATAQUE AO CAIXA ELETRÔNICO BRADESCO NO LARGO DO JACARÉ - BANDIDAGEM DE SÃO PAULO FAZ A FESTA NO RIO DE JANEIRO


CRIMINOSOS AGIRAM TRANQUILAMENTE - FECHARAM VIAS DE ACESSO AO LOCAL - COLOCARAM CINCO CARGAS DE EXPLOSIVOS - MANDARAM A AGÊNCIA DO BRADESCO PELOS ARES - ROUBARAM O QUE QUISERAM - SOLTARAM FOGOS EM COMEMORAÇÃO - FORAM EMBORA SEM SER MOLESTADOS.

A ação do GRUPO DE CRIMINOSOS de São Paulo durou aproximadamente 10 minutos. 

Cerca de 30 homens, fortemente armados, ocupando vários veículos, chegaram ao Largo do Jacaré, subúrbio do Grande Méier, área de policiamento de responsabilidade do 3o. Batalhão de Policia Militar. Anunciaram quem eram aos gritos, e partiram para a ação criminosa claramente bem planejada. Os bandidos fecharam as vias de acesso ao LARGO, ocupando a rua LINO TEIXEIRA e a descida do Viaduto do Túnel Rosa.

Os únicos tiros disparados na ação foram contra um carro, cujo motorista apavorado tentou fugir do local. Interceptado pelos criminosos, o homem nada sofreu, e ficou quieto no carro, após ser avisado pelos criminosos que o objetivo deles era apenas o ASSALTO ao Caixa Eletrônico.

TUDO PELOS ARES, em estrondo que pode ser ouvido a quilômetros de distância, era madrugada, por volta das 02:40 minutos de sexta-feira, dia 16/06, o BANDO recolheu o DINHEIRO, soltou fogos para comemorar, todos entraram nos carros e foram embora.

A POLÍCIA MILITAR chegou ao local quando os bandidos já estavam longe.

ANÁLISE DO FATO

TALVEZ TENHA SIDO MELHOR MESMO A POLÍCIA NEM CHEGAR AO LOCAL.

Uma patrulha com dois Policiais ? Duas patrulhas ? Para enfrentar 30 CRIMINOSOS ?

O caso revela como a cidade está abandonada em termos de policiamento ostensivo, preventivo. 

Como o aparato de policiamento está desmantelado e sem planejamento.

Do QUARTEL do 3o. BPM no Méier, ATÉ O LOCAL DO CRIME, de madrugada, sem trânsito algum, os policiais chegariam até o largo do Jacaré (4 km de distância) em CINCO MINUTOS, SETE MINUTOS no máximo. 

Mas, havia efetivo de prontidão no quartel para isso ? Quantas viaturas em patrulhamento nas ruas, poderiam chegar ao local a tempo e em condições de abortar o crime e efetivamente fazer frente aos criminosos ?

Como um COMBOIO de vários carros com criminosos circula pelas ruas da cidade, sem ser abordado pela Polícia ? 

Resposta simples: Não há policiamento em quantidade suficiente e em posicionamento estratégico.